Comportamento ELEIÇÕES 2018

TV ou internet: quem vale mais na eleição?

cartilhaderegrasdapropagandanainternet

Internet alcança mais do que dados indicam

Debates mostram porosidade entre TV e redes.

O que um candidato à presidência vai fazer para se tornar conhecido durante a campanha eleitoral quando tem apenas uns poucos segundos diários do tempo reservado para a propaganda eleitoral obrigatória na TV?

Até recentemente, a resposta mais natural talvez fosse dizer que a internet está aí para isso. É uma plataforma com possibilidades amplas para quem aprende a usar seus recursos. Mas o poder da internet foi tão inflado e exagerado que agora os jornalistas estão vacinados.

O candidato que aparece com essa resposta fácil logo escuta o dado recente do IBGE: apenas 64,7% da população tem acesso à internet [1].

A lógica desse argumento é que quase todos os brasileiros assistem TV, o que não é verdade para a internet. Logo sairia em vantagem quem tem a força da TV a seu lado. No caso desta eleição, eles são Geraldo Alckmin (40% do horário eleitoral gratuito) e Lula/Haddad (20% do tempo).

Essa desproporção prejudicaria alguns dos principais candidatos, inclusive os 2 que aparecem hoje na frente nas pesquisas sem Lula. Jair Bolsonaro e Marina Silva têm apenas uns poucos segundos de TV por dia.

Mas será que a conta está certa: penetração da TV menos penetração da internet é igual a uma vantagem clara para as coligações de PT e PSDB? Vou argumentar aqui, com base na minha pesquisa de doutorado sobre uso da internet no Brasil popular, que a internet alcança mais pessoas do que o dado quantitativo sugere.

ACESSO COMPARTILHADO

Uma das características do mundo popular é o que a antropologia chama de “redes de ajuda mútua”. Como falta infraestrutura do Estado, a sua rede de segurança é literalmente a sua rede de relacionamentos.

É parte dessas redes quem participa delas; quem ajuda os outros. No povoado em que eu vivi e trabalhei no interior da Bahia, o acesso à internet é percebido como gênero de grande necessidade. E por isso ele é um item que faz parte das trocas cotidianas.

Quem não tem nem computador em casa, tem lan-houses próximas a suas casas, e os mais jovens são frequentadores assíduos desses estabelecimentos.

Quem tem banda larga em casa oferece a senha para familiares e amigos vivendo no entorno da casa. Ou revende o sinal para reduzir os gastos com esse serviço. Já em 2013, a maior parte do povoado comprava internet transmitida por ondas de rádio. Era um negócio relativamente barato, parecido com abrir uma lan-house.

E há outra forma de acesso que funciona fora dos esquemas comerciais de acesso à internet. Muitos têm smartphones e acessam a internet via redes de Wi-Fi em lugares como escolas, shopping centers e em seus locais de trabalho.

ANALFABETOS, MAS CONECTADOS

Uma das conclusões da minha pesquisa é que a internet é mais necessária no Brasil popular do que nas camadas médias e altas da sociedade. É frequentemente um lugar para se ganhar um dinheiro extra e também a primeira escala de quem desconfia que está doente.

Antes da popularização dos smartphones com sistema operacional Android, a compra do computador resultava de uma cooperação entre gerações de familiares: os mais novos entravam com a alfabetização e os mais velhos, com o dinheiro.

E o computador geralmente fica na sala, para ser apreciado como item de luxo e também para ser compartilhado por todos os moradores da casa e os vizinhos mais chegados.

Talvez soe estranho para você, mas era comum ver adultos ativos nas redes sociais graças à intermediação de seus parentes mais novos. Esses filhos e sobrinhos acessam o perfil do mais velho e agem como intermediários, lendo o conteúdo e redigindo as respostas.

Essa colaboração mostra uma prática maior de conversas e trocas de informação, que passam da internet para pessoas e elas redistribuem os conteúdos considerados interessantes ou relevantes.

UM ECOSSISTEMA

Meu argumento final é que é impossível separar a internet da televisão. O que acontece na rede muitas vezes serve para pautar jornalistas da mesma maneira como o que passa na TV pode facilmente passar a circular em serviços como Facebook, YouTube e WhatsApp.

O Twitter talvez seja o exemplo mais claro dessa interconexão que existe entre a mídia tradicional e a mídia nova. Quando o presidente Trump quer mandar seus recados, ele não convoca uma coletiva de imprensa. Ele tuíta. E esse conteúdo gera discussões, debates, frequentemente com a participação de jornalistas.

Vemos essa porosidade entre TV e internet nos debates televisivos. Muita gente que não quer assistir o debate inteiro se interessa em assistir os clipes que circulam no dia seguinte com os destaques. Recentemente vimos Marina Silva enfrentando Bolsonaro na RedeTV!. Esse trecho circulou intensamente e foi discutido nas redes sociais.

Portanto, se é verdade que a internet não é uma bala de prata midiática, a importância da internet não deve ser desprezada. É por conta dela que, mesmo sendo pouco noticiado nos últimos anos, Jair Bolsonaro é o candidato à frente da corrida eleitoral nos cenários sem Lula. Resta saber se os outros, menos hábeis nas redes, terão a mesma motivação para aprender a mobilizar pessoas usando esses canais.

Legenda da foto de capa: Propaganda eleitoral na internet é o centro das campanhas com pouco tempo de TV

Juliano Spyer

Juliano Spyer, 47 anos, possui doutorado em antropologia digital pela University College London e é autor dos livros Conectado (Zahar 2007), primeiro livro brasileiro sobre mídia social. Consultor, pesquisador e palestrante, foi responsável pelo monitoramento de internet da campanha de Gilberto Kassab, em 2008, e comunicador digital da campanha de Marina Silva à Presidência em 2010. Atua como antropólogo digital no IDEIA Big Data.

About the author

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Add Comment

Click here to post a comment