Artigo ELEIÇÕES 2018

Uma maré de votos da região metropolitana pode tirar Marconi do Senado

pixlr_20180831145240165

Algo está ocorrendo neste exato momento nas periferias das regiões metropolitanas  de Goiânia, do Entorno do Distrito Federal e da região sudoeste – Rio Verde, Jataí e Mineiros.

Trata-se de uma onda que começou a se mexer na última semana – e pode vir forte como um tsunami. Os indecisos para as eleições ao Senado Federal passaram a fazer uma pergunta: em quem votar. E em breve saberão.

Dentre todos os institutos, os indecisos chegam a casa dos 60%, quando a pesquisa em questão é a espontânea. Esse grupo de indecisos – que em questão de horas já terá um novo posicionamento – dificilmente se dispersará para o líder Marconi Perillo (PSDB), que tem a maior rejeição da história para o cargo que pretende ocupar.

Diante deste cenário, de decisão primada do voto,  em um contexto de disputa majoritária, com uma rejeição que pode chegar a casa dos 45% para o candidato tucano, a tendência de queda de Marconi é real e cada vez mais certa.

A pesquisa divulgada nesta sexta-feira, 31, pela rádio Sagres AM (Antiga 730, rádio K, rádio Clube), mostra Jorge Kajuru (PRP) na liderança – 20,3% contra 16,3% de Marconi Perillo, Lúcia Vânia (PSB) com 11,2%; Vanderlan Cardoso (PP) com 8,8% e Wilder (DEM) com  3,2%.  Talvez ela tenha detectado uma espiral do silêncio – quando a opinião pública evita falar em quem vota, mas na hora ‘H’ decide quem será o escolhido.

Pode ser o primeiro sinal e primeira fotografia da onda que teve início nos bolsões de voto.

FATOR CAIADO

É preciso entender dois fatos que anda não foram percebidos pelos analistas e, claro, pelos eleitores: Ronaldo Caiado (DEM) é líder absoluto em todas as pesquisas, com vitória garantida no primeiro turno, se confirmarem os números expostos por todos institutos relevantes.

Pois bem, no momento que o eleitor de Caiado, em grande parte militante e não interessado, saber que o senador Wilder (DEM) e Jorge Kajuru (PRP) são os “candidatos” de Caiado a tendência é que ocorra um despejo massivo e inimaginável de votos nestes dois nomes. Os dois têm trabalhado a campanha em conjunto como a “Dupla WK”.

A questão é esta: fichas-limpas, os dois vão bater no horário eleitoral esta credencial e comparar o que fizeram com os demais candidatos.  Kajuru vai agora para o que melhor sabe fazer: falar com a população.

Outro fator é a campanha de Vanderlan. Caso ele mude sua estratégia (geralmente começa bem, mas depois cai por falta de ritmo), poderá oferecer risco aos candidatos da base aliada.  E neste caso existiram três agentes de realocação de votos.

Sabe-se que pelo  detector de corrupção  (www.detectordecorrupção,com.br), tanto Lúcia Vânia quanto Marconi aparecem  como investigados.

É neste contexto de  críticas e acusações que sofrerão ataques daqui para frente.

Artigo de Welliton Carlos*

* WELLITON CARLOS É DOUTOR EM SOCIOLOGIA PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS (UFG), MESTRE EM COMUNICAÇÃO PELA UFG, MESTRE EM DIREITO PELA MESMA INSTITUIÇÃO, ADVOGADO E JORNALISTA, ALÉM DE EDITOR DO DIÁRIO DA MANHÃ

About the author

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Add Comment

Click here to post a comment