ELEIÇÕES 2018

Eleição presidencial terá 13 candidatos; veja quem são

urna_eletronica_foto_tse_2222

EleiçõesAs convenções partidárias definiram 13 candidatos que disputarão a Presidência da República nas eleições de outubro. Além do ex-presidente Lula (PT), que disputou o cargo cinco vezes e foi eleito duas vezes, também voltam à corrida ao Planalto os ex-ministros Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT), o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) e José Maria Eymael (DC).

Outros nomes são novos na disputa: Jair Bolsonaro (PSL), Alvaro Dias (Podemos), Henrique Meirelles (MDB), Guilherme Boulos (PSOL), João Amoêdo (Novo), João Goulart Filho (PPL), Cabo Daciolo (Patriota) e Vera Lúcia (PSTU).

Saiba quem são os candidatos nas eleições deste ano:

Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

Pernambucano, Lula, 72, tornou-se conhecido ao liderar no final dos anos 70 a greve dos metalúrgicos da região do ABC. Com a proposta de mudar a vida dos trabalhadores, em 1980 fundou o Partido dos Trabalhadores. Foi eleito deputado federal em 1986 e participou da Constituinte. Em 1989, disputou a eleição presidencial pela primeira vez. Foi ao segundo turno e perdeu para Fernando Collor. Em 1994 e 1998, Lula também chegou ao segundo turno e foi derrotado por Fernando Henrique Cardoso. Em 2002, foi eleito presidente e reeleito em 2006.

Em julho de 2016, se tornou réu pela primeira vez na Lava Jato, acusado de tentar comprar o silêncio do delator Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras. Um ano depois, foi condenado pela primeira vez, acusado de receber vantagens indevidas da OAS, como um tríplex em Guarujá (SP), por contratos da empreiteira com a Petrobras. A condenação por corrupção e lavagem de dinheiro foi confirmada em segunda instância em janeiro de 2018 e a pena de Lula aumentada para 12 anos e um mês de prisão.

Jair Bolsonaro (PSL)

Capitão reformado, Jair Bolsonaro, 63, nasceu em Campinas, mas fez sua carreira política no Rio de Janeiro. Foi eleito vereador da capital fluminense em 1989 e em 1991 foi eleito pela primeira vez deputado federal.

Ao longo de sete mandatos na Câmara dos Deputados, Bolsonaro apresentou mais de 170 projetos de lei e apenas dois foram aprovados. Se tornou conhecido pelo eleitorado por polêmicas no parlamento, com falas em defesa da ditadura militar e integrantes do regime, ataques a homossexuais, negros e mulheres.

Disputa pela primeira vez a Presidência, aparecendo em segundo lugar nas pesquisas, nos cenários com Lula, e liderando as intenções de voto em primeiro turno, quando o petista não aparece. Para vice, escolheu o general da reserva, Antonio Hamilton Mourão (PRTB).

Marina Silva (Rede)

Nascida em Rio Branco, no Acre, Marina Silva, 60, se tornou conhecida pela defesa do meio ambiente. Foi vereadora e depois eleita deputada estadual em 1990 e senadora em 1994, cargo que ocupou por dois mandatos.

Foi ministra do meio ambiente de Lula, de 2003 a 2008. Voltou ao parlamento e se lançou pela primeira vez na disputa eleitoral em 2010 pelo Partido Verde. Em 2014, após o candidato Eduardo Campos morrer num acidente aéreo, Marina, então vice da chapa pelo PSB, voltou à disputa.

Nas duas eleições que disputou, a ex-senadora não chegou ao segundo turno. Em 2015, fundou a Rede Sustentabilidade, partido pelo qual disputa o cargo pela terceira vez, com o ex-deputado federal Eduardo Jorge (PV) como vice da chapa.

Assim como Bolsonaro, Marina também tem pouco tempo de propaganda na TV e no Rádio: 24 segundos e uma inserção por dia.

Ciro Gomes (PDT)

Nascido em Pindamonhangaba, interior de São Paulo, Ciro Gomes, 60, fez sua carreira política no Ceará. Foi prefeito de Fortaleza e em 1989 eleito governador do Ceará, que governou durante um mandato.

Foi ministro da Fazenda no governo de Itamar Franco, participando da equipe que formulou o plano real. No governo de Lula, ocupou o ministério da Integração Nacional, de 2003 a 2006. Foi eleito deputado federal em 2006, cargo que exerceu por um mandato.

Assim como Marina Silva, é a terceira vez que Ciro disputa as eleições presidenciais. Ele se lançou na corrida presidencial em 1998 e em 2002. Como vice, escolheu a senadora e ex-ministra da Agricultura de Dilma Rousseff Kátia Abreu (PDT).

Sem coligações, o candidato tem 40 segundos de propaganda na TV e no Rádio e uma inserção diária. Apesar de aparecer em terceiro lugar nas pesquisas sem Lula na disputa, o candidato sofre desgaste por declarações polêmicas.

Geraldo Alckmin (PSDB)

Assim como Ciro Gomes, Geraldo Alckmin, 65, nasceu em Pindamonhangaba. Foi ali que iniciou sua carreira política como vereador, em 1972, e depois como prefeito, em 1976. Foi deputado estadual e depois federal, atuando na Constituinte.

Renunciou ao segundo mandato como deputado federal em 1995 para ser vice-governador de São Paulo. Em 2001, com a morte do governador Mário Covas assumiu seu primeiro mandato como governador. Foi eleito para o cargo outras três vezes, em 2002, 2010 e 2014.

Alckmin disputou a Presidência em 2006, perdendo no segundo turno para Lula. Durante toda a pré-campanha das eleições de 2018 foi questionado pelo baixo desempenho junto ao eleitorado, alcançando apenas 7% das intenções de voto.

A candidatura ganhou fôlego ao firmar aliança com partidos do centro, proporcionando maior tempo na TV e no Rádio dentre os candidatos. Alckmin conta com 5 minutos e 32 segundos de propaganda e 12 inserções por dia. Como vice da chapa terá a senadora gaúcha Ana Amélia (PP).

Alvaro Dias (Podemos)

Nascido em Quatá, no interior de São Paulo, o presidenciável iniciou a carreira política em 1969 como vereador de Londrina. Depois assumiu como deputado estadual no Paraná e deputado federal, por dois mandatos. No início dos anos 1980 se tornou senador e em 1987 assumiu o governo do Paraná. Voltou ao Senado em 1999 e está no terceiro mandato consecutivo.

Ao longo da vida política, trocou de sigla sete vezes. Com discurso contrário a corrupção, escolheu o economista e ex-presidente do IBGE e BNDES Paulo Rabello de Castro (PSC) como vice.

Guilherme Boulos (PSOL)

Filho de médicos e professores da USP, Boulos, 36, se tornou militante na juventude. Em 1997, ingressou no movimento estudantil, militante na União da Juventude Comunista (UJC) e conheceu o MTST (Movimento dos trabalhadores sem teto).

Dois anos após se formar em filosofia, deixou a casa dos pais e se mudou para uma ocupação do movimento em Osasco, na grande São Paulo. Se tornou coordenador nacional do MTST e em março de 2018 filiou-se ao PSOL para disputar a Presidência pela primeira vez.

Ao seu lado está a indígena e líder da Apib (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil) Sônia Guajajara (PSOL). Coligado apenas ao PCB, o candidato tem apenas 13 segundo de tempo de propaganda de TV e rádio e uma inserção a cada dois dias.

Henrique Meirelles (MDB)

Nascido em Anápolis, Goiás, Henrique Meirelles (72) fez carreira no mercado financeiro. Começou no Banco de Boston em 1974 e se tornou presidente da instituição no Brasil em 1984. Também integrou o conselho da Harvard Kennedy School of Government e da Sloan School of Management do MIT (Massachusetts Institute of Technology).

Em 2002, foi eleito deputado federal, mas renunciou para assumir a presidência do Banco Central, durante o governo Lula, permanecendo no cargo até 2010. Foi escolhido por Michel Temer para chefiar o ministério da Fazenda, cargo que ocupou até abril de 2018, quando deixou a função para disputar pela primeira vez a presidência da República.

Com 1 minuto e 54 de propaganda de TV e 4 inserções diárias, Meirelles terá como vice o ex-governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto (MDB). O candidato tem usado recursos próprios para fazer a campanha e sair do 1% das intenções de voto.

João Amoêdo (Novo)

Também estreante na disputa ao Planalto, Amoêdo, 55, fez carreira no setor bancário. Foi vice-presidente do Unibanco, diretor executivo do BBA e integrou o conselho de administração do Itaú.

Em 2011 fundou o Novo, partido que tem como práticas não usar recursos do fundo partidário e selecionar seus filiados. Com apenas cinco segundos de tempo de propaganda de TV e rádio e uma inserção a cada cinco dias, tem ao seu lado o executivo Christian Lohbauer (Novo).

João Goulart Filho (PPL)

Filho do presidente deposto pelo golpe militar de 1964, João Goulart. Fundador do Instituto João Goulart, foi deputado estadual no Rio Grande do Sul e autor do livro “Jango e Eu”, indicado ao prêmio Jabuti. O professor da Universidade Católica de Brasília Léo Alves (PPL) será o vice da chapa.

Cabo Daciolo (Patriota)

Sargento licenciado do Corpo de Bombeiros, o deputado federal pelo Rio de Janeiro se destacou ao defender os caminhoneiros grevistas, em maio de 2018, e liderar a greve dos bombeiros no Rio de Janeiro, em 2012.

Foi expulso do PSOL em 2015, acusado de contrariar o programa do partido de esquerda ao tentar incluir Deus na Constituição Federal e ao defender os PMs presos no caso Amarildo.

A chapa terá como vice a professora Suelene Balduino Nascimento (Patriota).

José Maria Eymael (DC)

Foi deputado federal por dois mandatos, atuando na Constituinte e ajudou a refundar o PDC. Candidatou-se quatro vezes à Prefeitura de São Paulo, em 1985, 1988, 1992 e 2012. Também é veterano nas campanhas presidenciais: disputou em 1998, 2006, 2010 e 2014.

Em 2018, terá como vice Helvio Costa (DC).

Vera Lúcia (PSTU)

Pernambucana, foi candidata nunca ocupou cargos eletivos. A presidenciável foi candidata a deputada federal por Sergipe em 2006 e a prefeita de Aracaju em 2004, 2008 e 2012. Ativista sindical, foi militante do PT, mas foi expulsa do partido em 1992. Em 1994, ajudou a criar o PSTU. Como vice, terá o professor da rede pública do Maranhão Hertz Dias.

(FOLHA PRESS)

About the author

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Add Comment

Click here to post a comment