Política

Ministério público de contas pode questionar venda de créditos

MPCGO
Após reunião entre Ronaldo Caiado e procurador Fernando Carneiro, MPC-GO vai analisar edital publicado hoje e pode questionar a ação do governo.

O Ministério Público de Contas do Estado de Goiás (MPC-GO) poderá questionar o edital lançado pelo governo para venda de créditos no valor de R$ 43 bilhões. Após encontro nesta segunda-feira (30/7) entre o senador Ronaldo Caiado (Democratas) e o deputado Lívio Luciano (Podemos) com o procurador do MPC-GO, Fernando Carneiro, a instituição irá analisar o edital e poderá questioná-lo, com já aconteceu com ação semelhante do governo goiano em 2015. Ronaldo Caiado, Lívio Luciano acompanhados da advogada e ex-procuradora de Goiânia, Anna Vitória Caiado estiveram no Ministério Público de Contas devido a preocupação que têm com os prejuízos para as contas públicas que operação pode acarretar. O documento foi publicado hoje no Diário Oficial no estado e coloca à venda créditos no total de R$ 43 bilhões em contrapartida, inicial, de apenas R$ 325 milhões, menos de 1% do valor que o estado tem a receber. Conforme o edital, a venda está prevista para o próximo dia 14 de agosto, por isso, a urgência do senador em adotar providências a uma medida que classifica como assalto aos cofres do estado.

O procurador Fernando Carneiro explicou que em 2015 houve questionamento a uma ação semelhante, que não foi adiante após o Tribunal de Contas da União (TCU) considerar os termos da operação irregulares. “O senador Ronaldo Caiado veio até o Ministério Público de Contas no dia de hoje para nos falar da sua preocupação em relação ao edital que foi publicado no Diário Oficial de hoje acerca de venda da dívida ativa do estado. Nós questionamos uma situação semelhante em 2015, mas que precisamos analisar melhor o edital para ver as condições e verificar se algum caso de novo questionamento. Já tenho minha concepção formada em relação à situação passada. Em relação à nova eu diria que por se assemelhar a tendência é que eu vá questionar, mas eu vou fazer uma análise acurada em cima do edital e, se for o caso, vou questionar”, explicou o procurador.

Ronaldo Caiado lembrou que o Sindifisco já se posicionou contrário a ação do governador José Eliton e acredita, que depois de anos de uma gestão irresponsável, o tucano parte para uma medida desesperada em busca de recursos imediatos. “O procurador Dr. Fernando mostrou estranheza na continuidade da publicação do edital, na celeridade que está sendo dada, a Secretaria da Fazenda não é ouvida. O Sindifisco já se posicionou 100% contrário a esta operação que, realmente, dará um prejuízo enorme ao estado de Goiás e provocará o desfalque ainda maior aos próximos governantes. Isso tudo em decorrência de uma gestão que foi totalmente inconsequente e provocou nesta reta final do seu período de mandato essa desestabilidade na economia do estado de Goiás e provocou ao mesmo tempo também uma penalização a toda saúde fiscal do estado”, destacou.

“Essas atitudes que o governo vem levado adiante tem um objetivo só: é na tentativa desesperada de buscar alguma fonte de repasses financeiros para poder quitar folha de pagamento que ele já levou o estado a essa total situação de inadimplência e nós estamos recorrendo contrários a essa decisão”, completou Ronaldo Caiado.

Lívio Luciano acrescenta que a operação só trará prejuízos aos cofres do estado e uma ação de “achaque” aos recursos do povo goiano. “É um processo eivado de vícios, erros, incongruências e que dia 14 de agosto agora abre a possibilidade para que instituições deem lances de comprar recebíveis, em princípio de R$ 1,5 bilhão, recebíveis altamente lastreados que o estado vem recebendo em torno de R$ 30 milhões/mês com índice de inadimplência mínimo, – 1% a 2%. Ou seja, é um negócio altamente lucrativo para quem adquirir esses recebíveis e um negócio altamente negativo e desconstrutivo para as contas públicas do estado de Goiás, que mais uma vez, tudo indica sofrerá esse achaque”, enfatizou.

“Mas o importante é que o senador Ronaldo Caiado está na linha de frente desse processo no sentido de não permitir que mais uma vez o patrimônio público do estado seja dilapidado por falta de responsabilidade, por falta de consequência e, acima de tudo, por falta de espírito público e falta de consideração para com os goianos”, finalizou Luciano.

Crédito: Júnior Guimarães 

About the author

Allan Ribeiro

Minha história com o jornalismo tem uma trajetória que começou a ser escrita aos 11 anos de idade, quando comecei a representar o jornal O Diário da Manhã.
O fiz por gostar de ler e de estar informado. De entregar o jornal passei a enviar notícias da cidade a serem publicadas.
Ao visitar o jornal, em conversar com o senhor Batista Custódio, surgiu a possibilidade de publicar artigos sobre temas específicos. Foi o que fiz, e ver a repercussão só me incentivou.
Deste ponto passei a publicar também no O Popular. Como a volta do Novo Horizonte ao futebol profissional integrei a equipe da Rádio Xavantes, graças a Deus, naquela oportunidade o time subiu para a divisão de elite.

Add Comment

Click here to post a comment